Posts com a Tag ‘ana’

Dra. Ana Sebastián

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

A UN AÑO DE LA DENOMINACIÓN POR LA UNESCO DEL TANGO

PATRIMONIO INMATERIAL DE LA HUMANIDAD
vaya este texto de (mais…)

Ricardo Gimenez – Presidente Prudente

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Ricardo disse:

Estou tão sensibilizado pelo carinho e amor desta nossa mestra tão querida que é a Dra Ana Sebastián… pela entrega e respeito, pelo carinho e preocupação em tentar traduzir para o portugues toda a materia super condensada e intensiva… Voce foi uma heroina, maravilhosa, pertinente e prudente… a todo momento me senti parte desta historia tão linda e íntegra que é a historia do tango… e melhor, a de ser porteño… Parabens pelo conteudo e pela grandiosidade de sua aula… Gostaria que viesse mais vezes ainda este ano… rsrsrs mas temos que correr, cada vez que eu dançar um tango, lembrarei e oferecerei sua magnitude… Não me canso de lhe agradecer!!!!

Dra. Ana M. Sebastián

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Querido Marco:

Eu me sinto na obrigação de (mais…)

Sandra Maria Martins – Curitiba

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Obrigada Marco pela oportunidade de ter estado com esse grupo pioneiro nesse instigante Curso.
Obrigada Dra Ana, primeiro pela gentileza de comunicar-se em nossa língua e mais ainda por todo o conteúdo que nos foi apresentado, descortinando novos horizontes nos mistérios das línguas, em especial a do tango.
Grande abraço.

Afonso Vieira – Joinville

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Afonso disse:

Obrigado professora Ana pelo empenho de levar à nós o conteúdo de literatura do tango, muito importante para nosso estudo.

Fotos do Módulo de Setembro

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Fotos de 18 e 19 de Setembro

Professora Ana Sebastián aos Alunos…

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Buenos Aires, 2 de setembro, 2010.

Estimados estudantes:

Dentro de duas semanas vou ter o prazer de conhecer-los e compartilhar meus conhecimentos, minha experiência com vocês.

A gente pensa que a poesia do tango está escrita num jergão que se identifica com a delinquencia e a marginação. Mas o tango está escrito com a língua portenha, com seus gracejos, seus jogos de palavras, sua ironía e suas mudanças com o decorrer do tempo. O tango não é críptico. Quando Carlos Gardel cantou em 1917 no Teatro Esmeralda  -hoje Maipo- o primeiro tango com poesia argumental Mi noche triste de Pascual Contursi todo mundo se emocionou até as lágrimas. Todo mundo entendeu. Se houvesse sido um jergão de malandros, significaría que todos os presentes eram malandros. Não! Era gente comum, gente do povo: os negros, os gaúchos que haviam abandonado o pampa e os recém chegados europeos pobres que moravam no “conventillo” (cortiços). E Gardel cantou-lhes em sua própria língua. Pela primeira vez alguém cantava na língua corriqueira. Os textos anteriores eram gauchescos ou simples apresentações de personagens. Não contavam uma história em palavras que todos comprendiam e tocavam o coração de todos.

Eu tratarei de ensinar desde a perspectiva da lingüística moderna e de forma compreensível nossa língua, a lingua do tango, que tem muitos termos ou expressões perdidas, mais que em quase tudo segue vigente. E mostrarei como o portenho é rico em tonalidades, em léxico, em expressões e significados e como foi trocando  -como toda as línguas-.  Em pouco tempo apresentarei os aspectos de som, de formação de palavras e frases, do vocabulário e demonstrarei que muitas coisas que agora a gente não conheçe é porque não conhece a própria historia e a própria literatura. Muitos escritores do século XIX já tinhan termos e palavras que a gente só pensa que são do tango.

Há muitos anos estudo o tango, a língua e a literatura de Buenos Aires, fui Vicepresidente da Academia Nacional del Tango e trabalhos meus –em colaboração com Luis Labraña-  representaram a Argentina e a Buenos Aires nos Congressos da Lingua: Reflejos de la lengua (2000) y Lengua y poder. El argentino metropolitano (2004). Também somos autores de Tango, una historia. Minha última publicação é Tango, literatura e identidad e meu novo livro El portenho: reivindicación e identidad del argentino metropolitano está por ser publicado.

Gostosamente brindarei todo o que tenho sobre esses temas e compartilharei não só meu conhecimento, mais também minha paixão pela língua de Buenos Aires, por sua cultura e literatura em geral e pelo tango, em particular, com vocês.

Até dia 18 de setembro.

Carinhos.

Ana Sebastián

Ricardo Gimenez – Presidente Prudente

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

ricardo gimenez disse:
5 de setembro de 2010 às 12:25

Olá meu querido, nossa como amei estar (mais…)

Dra. Ana Sebastián

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

EN LA LUNA DE LA AMISTAD……. (mais…)

Dra. Ana Sebastián – Introdução a Linguagem e Literatura do Tango

quarta-feira, 26 de maio de 2010

BICENTENARIO

“La esperanza es un deber del sentimiento”
Fernando Pessoa.

Hace casi cuarenta años yo había abandonado mi forma de escribir de adolescente seguidora vallejiana para escribir poemas heroicos en romance, con lenguaje fácil para que los pudieran entender mis compañeros. A Gerardo Burgos –el Chino Godoy-, luego de su muerte, se le encontraron unas copias a mano de mis poemas de entonces en la casilla de la Villa Itatí en donde vivía. Algunos versos subsisten en placas de bronce en bóvedas y tumbas de algunos compañeros, incluso en bóvedas y tumbas que han sido (mais…)